Biografia da In Impetus

BIOGRAFIA DA IN IMPETUS

Criada em 1990, a Associação Cultural e Teatral In Impetus começou como um grupo de Teatro em prol da divulgação de novos talentos e da arte de representar, bem como da formação de novos actores. A In Impetus procurou sempre, através da sua acção, dinamizar o espaço cultural português em áreas como a dramaturgia e a realização cénica, chamar a atenção do público para o Teatro Jovem, realizar intercâmbios com outros grupos teatrais no domínio da experiência e produção teatral e servir de plataforma a quem procure formação e continuidade a nível profissional. Além de produções teatrais e promoção de eventos culturais, a In Impetus desenvolveu também um trabalho de formação de profissionais de Luminótecnia e Sonoplastia.

A In Impetus, enquanto companhia foi premiada em 1994 e em 1999 pelo Estado Português, com o reconhecimento do Ministério da Cultura – Instituto das Artes e Espectáculos, através da Declaração de Manifesto de Interesse Cultural com as peça “Cyrano de Bergerac” de Edmond Rostand e com a peça “ Pais e Filhos “ de Turgenev. No seu historial destaca-se a colaboração regular com outras instituições, nomeadamente com a Academia de Armas de Portugal, com a qual co-produziu o espectáculo de encerramento do Campeonato do Mundo de Esgrima Artística (1996), sendo uma das representações nacionais premiadas na categoria de duelos sec. XVIII, com a medalha de prata. A concepção deste duelo, a cargo do mestre Eugénio Roque, integrava um dos espectáculos produzidos por este grupo, em 1993, com “Actores de Boa Fé “ de Marivaux, também premiado no Festival de Teatro Amador de Lisboa, realizado no Teatro Maria Matos, e posteriormente em apresentações no Teatro da Trindade, em Junho do mesmo ano.

Como Escola de Actores a In Impetus iniciou o seu percusso em 2000, marcando determinantemente a oferta formativa nacional ao nível da representação. Os anos de teatro no Liceu Maria Amália Vaz de Carvalho, cujas funções pedagógicas e didácticas estiveram sempre presentes, tanto no espaço da escola como na comunidade, foram fulcrais na construção de uma identidade própria. A sua vasta experiência na formação de sonoplastas, luminotécos e sobretudo de actores, é comprovada pelo desempenho de alguns dos nossos antigos formandos, que hoje em dia estão a participar em séries e novelas televisivas, em peças de outras companhias e com produção da própria In Impetus. A credibilidade da In Impetus, na área da formação tem mesmo levado à recomendação de algumas produtoras nacionais para que actores e técnicos procedam à “reciclagem” nos Cursos, Workshops e Seminários por nós leccionados: o Curso de Formação de Actores, o Curso Intensivo de Representação para Teatro e Cinema, Curso de Jovens Actores, Curso de Representação frente a Câmaras ou os Workshops de Técnicas de Representação, e Treino Psíco-Físico, são os principais exemplos da oferta anual da In Impetus. A experiência de um corpo docente com provas dadas no teatro, cinema e televisão – como são os casos de Rita Calçada Bastos, Ronaldo Bonnachi, Pedro Borges, Pedro Barão, Rita Capela, Dmitry Bogomolov, entre vários outros professores internacionais convidados – fizeram desta escola uma referência no panorama artístico nacional.

Desde a década de 90 que a In Impetus tem habitado diferentes espaços que fazem parte da sua história: desde a sede na Filipe Folque, cedida pela Junta de Freguesia de São Sebastião, ai Espaço CPT50, em Campolide, ou o emblemático Clube Estefânia, onde a In Impetus não se limitou à formação, mas também a dar uma nova vida ao espaço com programação de eventos e espectáculos. Em 2011 a In Impetus teve como principal objectivo a requalificação das instalações, deixando o espaço “Põe-te a Pau” na Lapa, para inaugurar aquele que é o maior espaço para o ensino artístico particular aberto na área da formação de actores em Lisboa. A In Impetus inicia assim um novo ciclo no Hangar – Espaço Cultural, um novo espaço com cerca de 1200 metros quadrados construídos de raíz para a sua principal função: a formação de actores. Esta nova casa possibilita também uma programação própria, para os vários os palcos possíveis no espaço, recebendo espectáculos de Teatro, Dança e Música como oferta complementar aos alunos.
O seu programa curricular, assenta em três disciplinas base: a Interpretação, o trabalho de Voz e Dicção e de Corpo e Movimento. De forma a complementar da melhor forma o seu currículo pedagógico, a In Impetus procurou desde sempre a diversificação de metodologias, técnicas e correntes teatrais, das quais destacamos: Técnicas de Improvisação, Teatro do Gesto, Técnica de Mimo, Treino Psico-Físico, Stage Combat, Técnica de Clown, Técnica de Meisner, Método de Lee Strasberg, Metedologia de Michael Checkov, Treino Viola Spolin ou Metodologia e Antropologia Teatral de Eugénio Barba.

Ao longo de todos estes anos dedicados à formação de actores, foram cerca de 600 os alunos, vindos de todos os pontos do país, que por nós passaram e que posteriormente seguiram a sua vocação artística, sendo com orgulho que hoje os encontramos no melhor da ficção nacional. Apontamos como alguns exemplos: José Fidalgo, Alexandre da Silva, Marco Costa, Ana Claudia Vaz, Lura, Quimbé, Mário Bomba, Pedro Reis, Liliana Brandão, Joana Teixeiro, Davida Mesquita, Gabriela Relvas, Ricardo Sá, entre outros. Também nas produções da In Impetus contámos com nomes como; Rita Andrade, Alexandra Freudenthal, Célia Bochmann, Filipe Petronilho, Teresa Negrão, Ana Bandeira, Silvia Balancho e Catarina Afonso.

Textos que a In Impetus já levou à cena, com encenação de Pedro Barão, em diferentes espaços da Capital, dos quais destacamos: Auditório do Liceu Maria Amália Vaz de Carvalho, Auditório do Liceu Camões, Caves do Liceu Camões, Teatro da Trindade, Clube Estefânia, Centro cultural da Malaposta e Auditório Miguel Rovisco.

Entre Produções profissionais, destacamos as seguintes:

2000
“ Vertigens 2.1” adaptação de “Depois da Tempestade” de Sergei Belbel

2002
“ Dança de Roda “ a partir de “ La Ronde “ de Arthur Schnitzler

2003
“ Ruptura “ de Lars Noren

2004
“11 K” – Adaptação da obra “ Class Enemies “ de Nigel Williams

2009
“ Vertigens 2.9” adaptação de “Depois da Tempestade” de Sergei Belbel

2010
“Ligações” a partir de Choderlos Laclos
“Por linha tortas” a partire de textos de Woody Allen

2011
“Quarto Azul” a partir de David Hare

2000
“ As Lágrimas Amargas de Petra Von Kant”de Rainer Werner Fassbinder
“ Metrópolis” a partir de Howard Korder

2001
“Apanhados no Divã” a partir de Joe Orton

Entre Produções de Exercícios dos alunos, destacamos:

2004
“ Shitómetro “ Café-teatro.

2010
“ Núvem 9” a partir de Caryl Churchil

“A Marcha” a partir de Alberto Adelanche

“Sonho de Uma Noite de Verão” de William Shakespeare

2011
“Nunca é meu, Nada é teu” a partir de Luisa Costa Gomes
“Fracturas” a partir de Caryl Churchil e Alberto Adelanche
2012
“Audição Mecânica para 13 actrizes” partir de Raphaelle Billedoux